A Inteligência Emocional no trabalho

A Inteligência Emocional no trabalho
26/08/2019

Formações acadêmicas costumam garantir o conhecimento técnico para se executar determinadas tarefas de forma habilidosa no dia a dia do trabalho. Mas, já que grande parte do dia é dedicada à essas funções, será que o emocional não influencia no desempenho dos funcionários?

O ambiente de trabalho é um local de convívio de diversas pessoas, com personalidades, culturas, crenças e habilidades diferentes, que irão conviver por longas horas em um mesmo espaço. Em espaços como esses, os conflitos costumam surgir naturalmente e há diferentes maneiras de reagir a eles.

Usar a inteligência emocional no trabalho é uma forma de contribuir para a construção de um bom clima organizacional. Mas não é só isso! Aprender a lidar com as diversas situações que podem surgir é fundamental para se destacar em um mercado de trabalho competitivo.

Pensando em contribuir com o seu desenvolvimento pessoal e auxiliar na compreensão de como a inteligência emocional pode ajudar no cotidiano do trabalho, selecionamos as informações mais pertinentes sobre o assunto nesse post.

Você irá entender qual a importância em desenvolver essa inteligência e como ela pode te fazer avançar em sua carreira. Continue a leitura e descubra!

Quais são os tipos de inteligência?

Cientistas e estudiosos do sistema nervoso central apontam que os seres humanos possuem sete tipos diferentes de inteligência. De tempos em tempos, a formação de uma cultura e da sociedade pode valorizar algumas em detrimento das outras.

Hoje faz parte do senso comum a ideia de que uma habilidade lógico-matemática seja mais relevante do que a inteligência linguística ou musical, por exemplo. Howard Gardner, psicólogo neurológico conhecido como “o cientista das inteligências múltiplas”, aponta que cada ser humano pode ter mais ou menos aptidão em alguma inteligência.

Por isso, o que faz um gênio ser gênio, na verdade, é sua grande aptidão a múltiplos tipos de inteligência. Assim, às demais pessoas, cabe a possibilidade de exercitar certas inteligências para desenvolver as menos habilidosas ao longo da vida. Então, quais são elas?

  • Espacial: Habilidade em lidar com objetos e perspectivas;
  • Linguística: Habilidade com escrita, leitura e facilidade no aprendizado de idiomas;
  • Lógico-matemática: Habilidade com deduções lógicas e operações numéricas;
  • Físico-cinestésica ou corporal: Habilidade de utilizar e manipular o potencial do corpo para diversas situações;
  • Interpessoal: Habilidade para identificar as intenções, emoções e desejos de outros;
  • Intrapessoal: Habilidade em identificar as próprias intenções, pensamentos e desejos;
  • Musical: Habilidade para tocar instrumentos, interpretar, apreciar e compor músicas.

O que é a Inteligência emocional?

A inteligência emocional é uma habilidade que concilia a inteligência interpessoal com a inteligência intrapessoal.

Sendo assim, desenvolver inteligência emocional é ter a capacidade de compreender as próprias emoções, identificar as respostas emocionais pessoais em relação aos estímulos e situações externas, junto a identificar e lidar com as emoções das pessoas ao redor.

É uma inteligência que se volta para o comportamento expressado por si mesmo e pelas pessoas com quem se convive. Por isso, a inteligência emocional é importante para estabelecer relações mais saudáveis, a curto ou longo prazo, a partir da empatia.

Ela auxilia na redução dos níveis de estresse e agressividade de um ambiente, contribuindo para um bom clima organizacional, no caso do ambiente de trabalho, ou para melhorar as relações amorosas ou familiares. Seus pilares são o autoconhecimento, a disposição à comunicação, a motivação e a empatia.

Inteligência emocional no trabalho

Pensando nisso, hoje a inteligência emocional se tornou uma habilidade muito desejada pelas corporações. Afinal, tanto para liderar como para ser liderado ou mesmo trabalhar em equipe, é necessário estabelecer relações.

As empresas passaram a identificar que ambientes estressantes, rodeados de agressividade e medo, consomem a energia de seus funcionários, tornando-os menos produtivos, mais preocupados e dispersos. Além de aumentar as possibilidades de evasão do cargo e até de processos trabalhistas.

Assim, espaços com um bom clima organizacional, com bons mecanismos de comunicação, contribuem para que as habilidades técnicas e capacidades cognitivas de seus funcionários estejam à disposição do trabalho de forma integral.

Como usá-la no dia-a-dia do trabalho?

Devido à isso, usar a inteligência emocional no trabalho é uma das fórmulas de sucesso para avançar e progredir na carreira.

Para desenvolver a habilidade emocional é preciso esta disposto a conhecer a si mesmo e a atentar-se para as emoções pessoais. Isso pode ser facilitado por acompanhamento psicológico regular, além da prática meditativa e de leituras sobre o assunto.

No ambiente de trabalho, essa capacidade permite ao profissional ter clareza sobre seus anseios, suas angústias, medos, desejos e até identificar situações a evitar, a fim de não produzir conflitos.

Além disso, o autoconhecimento facilita na comunicação das necessidades, contribuindo para relacionamentos interpessoais baseados na compreensão e no entendimento. Isso evita ruídos de comunicação e reduz os atritos e disputas desnecessários.

Por fim, a inteligência emocional também contribui para identificar o que está acontecendo com os demais funcionários, a partir da empatia. Essa compreensão das emoções alheias permite que gestores e líderes sejam mais motivacionais e ajudem seus funcionários a desenvolverem melhor suas habilidades próprias.

Agora que você já sabe como aplicar a inteligência emocional no trabalho, clique aqui e descubra como ser um líder de sucesso!

Compartilhe

Veja também: